15/11/2010 | Capa

Águas Lindas de Goiás de e as relações com Brasília

Há poucos quilômetros da Esplanada dos Ministérios, Águas Lindas de Goiás é marcada por toda sorte de problemas. Enquanto DF e Goiás empurram o problema um no colo do outro, a omissão do Estado desemboca na capital federal. Fechar os olhos é a solução?

por Marcos Linhares

Foto:

Dia 12 de outubro de 2010 era dia da criança assim como de uma das maiores apreensões de maconha do DF: 100kg de maconha, dividida em 97 pacotes, em três caixas no bagageiro de um ônibus que seguia de Brasília para Natal (RN). O responsável pela carga era um adolescente de 17 anos, morador de Águas Lindas de Goiás, que admitiu que receberia R$ 1 mil pelo serviço. Além disso, segundo informações divulgadas, ele teria ido conhecer a nova rodoviária de Brasília e lá foi cooptado para fazer o serviço. A falta de opções e perspectivas pode ter sido um catalisador para aceitar a oferta.

Casos como esse viraram rotina, já que não são poucas as ocorrências, não só de violência, que envolvem o Distrito Federal com aquele município goiano localizado na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno - RIDE/DF. A cidade é nova (fundada em 1996, fruto do desmembramento de Santo Antônio do Descoberto) e considerada, de acordo com dados do IBGE, juntamente com os municípios de Cidade Ocidental, Luziânia, Novo Gama, Planaltina de Goiás, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso de Goiás como a periferia imediata de Brasília. Justamente por ser nova esperava-se que não tivesse tantos problemas e vícios oriundos de administrações municipais mais antigas contudo, tudo indica que ela segue o modelo das veteranas, acumulando toda sorte de problemas e escândalos políticos que já levaram ao impeachment de um prefeito, à prisão de outro por crime ambiental e a condenação recente de um deputado. Histórias tristes de resultados que preocupam e que não passam ao largo do Distrito Federal.

Para o sociólogo, consultor e ex-diretor do Inep, Carlos Henrique Araújo, o município "é uma sociedade jovem, fruto de uma grande expansão urbana e de uma forte migração. A sociedade desta cidade ainda está se formando e parece ser um lugar ainda de aventureiros em todas as esferas", pondera Araújo.

Agnelo, Weslian, Marconi, Íris, Dilma e Serra

Em 2011, será que haverá como evitar de se pensar em políticas públicas para o DF sem envolver Águas Lindas de Goiás, e as outras cidades da periferia imediata de Brasília? Os desafios serão imensos aos novos governantes tanto de Goiás, como do Distrito Federal, assim como de quem quer que venha a ocupar a cadeira de presidente da República, no Palácio do Planalto.

Por outro lado, o Governo federal costuma alegar que até tenta ajudar municípios como Águas Lindas mas não consegue devido a falta de bons projetos, de contrapartidas adequadas e má prestação de contas. A consultora política, Zenicéia de Assis afirma que esses argumentos, em parte, fazem sentido. "Funciona como aquela máxima que dizem os bancos, 'só se empresta dinheiro a quem não precisa', ou seja, só se financia quem pode dar garantias. Da forma que o município se encontra hoje, com aparente insegurança no cumprimento dos projetos e sem vontade política para exercer uma boa administração, não existem garantias para a execução de projetos. Com isso, não existe de forma clara, garantia do município para financiamentos públicos", avalia. Para Carlos Henrique Araújo, esse argumentos de ajuda sao verdadeiros, e caracterizam a precária formação das instituições e a péssima e constante gestão do Governo municipal. "Aliás, este não é só um problema localizado, a má gestão é um grande entrave no Brasil", alega.

Mesmo o atual prefeito já enfrenta sérios problemas de gestão. Em 2009, por exemplo, de acordo com informações da assessoria de comunicação do ministério Público de Goiás, "o promotor de Justiça Guilherme Vicente de Oliveira firmou temo de ajustamento de conduta com o prefeito de Águas Lindas de Goiás, Geraldo Messias Queiroz, para que seja regularizada a folha de pagamento dos servidores públicos municipais".

Relação com o DF

Situada a 193 quilômetros de Goiânia, Águas Lindas de Goiás se situa próxima à divisa oeste do Distrito Federal, há cerca de 45 quilômetros de Brasília. Os índices da cidade nas áreas de saúde, educação e segurança saltam aos olhos.

Talvez pensando nisso, o governador do DF, Rogério Rosso esteve em agosto naquela cidade, para conhecer o trabalho do Sistema de Esgotamento Sanitário de Águas Lindas. Essa é uma obra de infraestrutura essencial, do consórcio Caesb/Saneago, orçada em R$ 100 milhões usados na proteção da contaminação do reservatório. O prefeito do município, Geraldo Messias, seu vice, Antonio Francisco Alves Sabóia, o secretário de obras do município, Marcos Domingos, e o presidente da Caesb, Fernando Leite estiveram presentes. Rosso sabe da importância dessa obra, afinal a Barragem do Descoberto hoje atende 65% do abastecimento do DF.

Capital político

Normalmente, cidades como Águas Lindas de Goiás costumam ter um grande peso à época de eleições, como já se deve imaginar. Na hora de se pensar em políticas públicas tudo leva a crer que há um descompasso, previsível, antes e depois da conferência das urnas.

De acordo com levantamento do Ministério Público Eleitoral do DF (MPE-DF) com base em números do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Brasília recebeu a inscrição de 12.696 títulos de leitor de cidades vizinhas. Os dados falam por si: Dos 186,5 mil eleitores que transferiram o título para o DF desde 2006, 25,4% vieram de cidades do Entorno. Não é à toa que os políticos colocam a periferia imediata de Brasília, e consequentemente, Águas Lindas, nas estratégias e roteiros de campanha, afinal.

É criada uma gangorra eleitoral, muda-se de domicilio eleitoral a título de acordo com as possíveis "benesses" a ser auferidas a cada pleito. A consultora política Zeniceia de Assis explica o fenômeno. "O Entorno do DF é uma fábrica de votos flutuantes. Existem 'cabos eleitorais profissionais' com votos certos, que vivem de garantir eleitores para seus 'candidatos oficiais' a cada eleição. Com a proximidade das cidades do Entorno com o DF, as pessoas votam no Estado de Goiás nas eleições municipais e dois anos depois simplesmente mudam seu domicílio eleitoral para o DF e elegem seus deputados para a Câmara Distrital. E dois anos depois fazem o caminho inverso e assim flutuam de um lado a outro sem nenhum controle dos Tribunais Regionais Eleitorais", revela.

Carlos Henqiue Araújo avalia esses dados como um caso a ser inverstigado pela Justiça. "Lembro que isto não é fato novo, em todas as eleições estes problemas voltam e as providências não são tomadas", aponta.

Talvez sabedores dessa realidade e dos números decisivos de eleitores, por exemplo, os candidatos ao governo de Goiás e ao do DF, Iris Resende (PMDB) e Agnelo Queiroz (PT), estiveram em outubro, em Águas Lindas de Goias, fazendo uma caminhada pela cidade e divulgando propostas. De acordo com texto extraído do site de Íris Resende (Íris 15),  "juntamente com o candidato ao governo do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), Iris falou que planeja um governo de parcerias para levar o desenvolvimento à região, que é carente em infraestrutura. O plano também envolve a presidenciável Dilma Rousseff (PT), candidata apoiada por Iris e Agnelo. O peemedebista revelou que já vem costurando estes acordos, para que a sua futura gestão possa ser a mais eficiente possível na melhoria de vida daquela população. 'A Dilma, eleita presidente, já tem conosco um compromisso, comigo e com o Agnelo, de juntos buscarmos as soluções dos problemas que afligem a população do Entorno', disse. Iris apresentou a sua proposta de integralização do transporte coletivo e unificação do valor da passagem, assim como ocorre em Goiânia. Agnelo Queiroz ressaltou a parceria com Lula e Iris. 'Esta tabela é muito importante não só para as eleições, mas principalmente para depois, no governo', acredita. O petista frisou que além do asfalto, transporte e saneamento, principais lacunas do Entorno, também é importante uma política de geração de empregos na região, para diminuir a dependência da população local para com a capital federal", fizaliza o texto extraido do site do político.

Domingos

Em meio ao reconhecimento do capital político de Águas Lindas de Goiás, talvez o deputado distrital Benedito Domingos (PP-DF) seja um caso a ser considerado.  De acordo com dados da ONG Transparência Brasil, políticos não apenas recebem doações eleitorais. Eles também financiam campanhas - geralmente de si próprios, mas muitas vezes de outros candidatos. Benedito Domingos, por exemplo, em 2008 e 2006, além de doar para si mesmo, concentrou todas suas doações em 2008, para candidatos de Águas Lindas de Goiás, a saber:

Doações feitas em 2008


Beneficiário                       Partido Candidatura     Município Montante
ELMANO FERREIRA DOS SANTOS PMDB  Vereador      ÁGUAS LINDAS   375,00
GERALDO MESSIAS QUEIROZ        PP        Prefeito      ÁGUAS LINDAS 11.790,00
JANELUCE MORAIS                         PP       Vereador     ÁGUAS LINDAS   375,00
JOAO DA ROCHA SILVA      PP      Vereador VALPARAÍSO DE GOIÁS 700,00
SEBASTIAO PEREIRA DE AGUIAR PP      Vereador ÁGUAS LINDAS   375,00

Total R$ 13.615,00

Doações feitas em 2006

Beneficiário                          Partido    Candidatura Município Montante
ROGEMBERG DA SILVA BARBOSA  PSDC    Vereador      AGUAS LINDAS 7.150,00

Coincidentemente, com a eleição do prefeito Geraldo Messias, o filho de Benedito Domingos, Marcos Domingos, foi nomeado para a pasta mais cobiçada do Executivo, nas esfera municipal estadual: A Secretaria de Obras.

Tatico entrou para a história do Brasil

E a jovem Águas Lindas não para de surpreender: um de seus políticos mais famosos, que já foi deputado pelo DF e depois por Goiás, o empresário José Fuscaldi Cesílio, vulgo Tatico (PTB-GO), conseguiu, em decisão unânime, ser o primeiro parlamentar do Brasil a ser condenado cumprir a pena na prisão, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), desde a promulgação da Constituição de 1988. Outros dois parlamentares já haviam sido condenados, contudo, a pena de um dos parlamentares foi revertida em pagamento de multa e no outro caso, o crime já havia sido prescrito. Ele foi condenado por apropriação indébita previdenciária e por sonegação de contribuição da Previdência, e recebeu pena sete anos de prisão em regime semiaberto, sem possibilidade de substituição da pena por medidas alternativas. E ele quase conseguiu escapar, já que Corte teve que julgá-lo às pressas, já que ele estava em vias de completar 70 anos de idade e em caso de réus com 70 anos de idade, a prescrição do crime é reduzida pela metade, caindo para seis anos. Tático já havia conseguido escapar anteriormente de uma punição da Justiça: Ele havia sido denunciado pelo Ministério Público Federal por receptação de cargas, mas o processo foi arquivado em razão da prescrição dos crimes. Ele apareceu nacionalmente em 2003, durante a CPI do Roubo de Cargas, sendo então apontado como um dos empresários que compravam mercadorias furtadas no país. Ainda hoje, ele responde  a outra ação penal no STF, que não foi julgada, pelo possível crime recorrente: furto de carga.  Outro recurso que ele também tentou fugir da pena do STF esse ano ao candidatar-se novamente a deputado, dessa vez por Minas Gerais, mas foi impugnado pela lei da Ficha Limpa.

Incansável, ela continua lutando para não cumprir a pena: os advogados de Tático entrarão  com embargos de declaração, para solucionar algum tipo de contradição, omissão ou obscuridade ocorridas durante o julgamento. Tático só cumprirá a pena quando o caso transitar em julgado, depois do julgamento dos possíveis embargos. O STF ainda não publicou o acórdão  no Diário da Justiça. Somente com ele é possível que as varas de execução iniciem seu trabalho e levem para a prisão os condenados. Normalmente, o STF demora, em média, cerca de três meses para publicar o documento. Sem contar que os advogados ainda podem lutar para que os crimes sejam prescritos antes do Do final do processo, em termos jurídicos, o "trânsito em julgado".
Histórico de corrupção & políticos da cidade

O primeiro prefeito do jovem município, quase não concluiu o mandato, em virtude de enxurrada de denúncias de malversação do dinheiro público. O segundo prefeito, sr. José Zito Gonçalves de Siqueira, foi eleito pelo PSDB, foi banido da administração, com o impeachment. Depois, o governador do Estado de Goiás nomeou um interventor estadual, Cézar Gomes da Silva. Segundo divulgou o analista, escritor e administrador, VASCO VASCONCELOS, a Câmara Municipal de Águas Lindas de Goiás aprovou o impeachment de Zito com 14 votos a favor da cassação, um contra e suas abstenções. Em conseqüência do exposto, o vice-prefeito, José Pereira Soares, o J. Pereira do PFL, assumiu o comando da prefeitura, por pelo menos 24 horas, sendo reconduzido ao cargo novamente Zito, em função de uma liminar da Justiça, que anulou a sua cassação e a nomeação de seu vice. Depois de um milhao de brigas judiciais, J. Pereira assumiu a prefeitura e na sequencia foi eleito prefeito da cidade. O resultado nao foi dos mais animadores: ele está preso por crime ambiental e se encontra recluso na Penitenciária da Papuda, em Brasília, deste o dia 16 de julho.

Quem talvez apresente uma boa tese é o morador de Águas Lindas de Goiás e locutor, José Maria. O locutor explica, do alto da experiência de quem já mora no município há cerca de dez anos que, muitas pessoas que chegam em Brasília não conseguem ali ficar devido ao alto custo de vida da capital federal. Com isso, vão se distanciando. Primeiro, vão para Taguatinga. Depois, para Ceilândia. Depois, para Santo Antônio do Descoberto, e acabam parando em Águas Lindas. Normalmente, indo parar em terrenos negociados com invasores de terra. "Parece não haver a consciência de um cidadão do município O sonho de quem vem para cá é ir embora. Ou seja, normalmente as pessoas têm como referencia Brasília e na primeira oportunidade costumam ir embora", revela. Resultado: fica difícil ter os números corretos do numero de habitantes pela cidade ser flutuante.

De acordo com dados preliminares do Censo do IBGE 2010, a cidade conta com cerca de 170 mil habitantes, contudo numa rápida pesquisa, vê-se a prefeitura trabalhando com números que variam normalmente acima de 200 mil habitantes.

Educação

Em 2007, uma escola de Águas Lindas de Goiás teve a pior nota no teste Prova Brasil, feito pelo MEC. Em 2010, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado pelo Ministério da Educação (MEC), apontou que a nota das melhores instituições de ensino de Goiás variou de 5,7 a 6,3. Já as piores escolas conseguiram de 2,5 a 2,8. Em ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS, a escola com menor índice, 2,8, foi a Escola Municipal Jardim Barragem V, e por isso foi incluída entre as piores de Goiás. A Escola Municipal Geracina Pereira da Silva obteve a melhor colocação com índice de 4,4, nota ainda muito abaixo da média nacional.

Para o Mestre em Sociologia, consultor, ex-diretor do Inep e criador do Prova Brasil, Carlos Henrique Araújo, "a situação da escola Municipal Jardim Barragem V, que visitei alguns anos atrás, é um soco no estômago de quem gosta e entende a importância de uma boa educação para a população. A infraestrutura precária e o desleixo com os estudantes visto nesta escola caracteriza o descaso completo e absoluto com as pessoas da comunidade escolar. Digamos que seja um símbolo da precariedade do ensino no Brasil em uma região tradicionalmente desprezada e entre dois Estados ricos, como o DF e o Goiás. A situação de todo o ensino no Brasil é ruim, os resultados do último PISA, teste promovido pela OCDE, em 2006, não deixam dúvidas: 54% dos nossos jovens de 15 a 17 anos auferiram um desempenho abaixo do mínimo exigido", defende o consultor.

Ativismo judicial ?

Talvez suscitados pela não-crença no Executivo, não faltam instituições que tentam fazer algo nos municípios brasileiros. O Judiciário enfrenta muitos problemas: mais de 80% dos presos aguardavam julgamento em junho de 2009. O fato fez com que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) fizesse um mutirão carcerário para checar as irregularidades nas prisões. Infelizmente: dois meses depois, as celas estavam repletas de presos novamente.

De acordo com a Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça de Goias (TJ-GO(, em 2009, a então titular do Juizado Especial de Águas Lindas, Flávia Cristina Zuza, criou um projeto chamado Kit Educação, que consiste na compra de material escolar com dinheiro das transações penais. A iniciativa foi realizada em parceria com o Ministério Público de Goiás (MP-GO), por intermédio do promotor Alberto Cachuba Júnior. O material era destinado a crianças que frequentam escolas municipais . O critério utilizado para a concessão do benefício era a assiduidade dos alunos, assim como o bom comportamento e as melhores notas alcançadas no bimestre.

Para Carlos Henrique Araújo, a iniciativa era "um completo absurdo. Em primeiro lugar o sistema educacional não deve ser tratado como um depositário de medidas paliativas, fragmentadas ou de caridade. Paga-se uma carga tributária bastante alta para se ter um sistema de ensino que não ensina e não se desenvolve. Precisamos de medidas consistentes para que a educação no País melhore, isto sem contar que o Brasil é pelo menos a 10ª nação mais rica do planeta. O principal mecanismo de reprodução da violência é a impunidade. Acho que quem comete ilícitos deve pagar por isto no sistema prisional, que deve ser ampliado. Precisamos de rigor no combate ao crime e nunca a leniência", defendeu.
 
Já na visão do professor, advogado, parecerista e cientista social, Dr. José Washington dos Santos, esse caso é emblemático e demonstra duas situações inequívocas. A primeira de que o Estado de Goiás e o Município de Águas Lindas de Goiás não estão cumprindo suas funções executivas, deixando voluntariamente carências sociais intoleráveis, pois estas atingem a população de baixíssima renda e, ao final, corresponde a atitude destes a um absoluto descompromisso com a sociedade civil organizada de Águas Lindas de Goiás - paupérrima, por sinal, segundo Santos. A segunda, mais polêmica: o Estado-juiz e o Ministério Público local tinham e têm às mãos um instrumento jurídico que foi concebido preliminarmente para reeducar o suposto autor do fato, mas nada impede que, democraticamente, ambos os órgãos supram a omissão continuada do Estado-membro e do respectivo Município.

"Aliás, podendo e não fazendo, tanto o Estado-juiz local quanto o Ministério Público Municipal estariam incidindo em improbidade administrativa (Lei nº 8.429/1992, art. 11, caput e incisos). Então, estamos diante das seguintes balizas do ser-ou-não-ser de Shakespeare: prática comprovada de improbidade administrativa pelos agentes políticos do Estado de Goiás e do Município de Águas Lindas de Goiás, de um lado, e atuação efetiva e brilhante do Judiciário e do Ministério Público locais, inclusive para não serem coniventes com os dois outros órgãos e, mais, cumprirem estes dois o que a lei deles exige: a paz social e, na falta de atuação dos órgãos que deveriam cuidar das políticas públicas locais, havendo permissivo legal extensivo, atuam dois outros órgãos com atribuições distintas dos fins de políticas públicas locais, mas em busca da realização constitucional do bem-estar dos indivíduos e da coletividade", alega o cientista social.

Dengue

De acordo com o último Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (Liraa) publicado no portal do Ministério da Saúde. o estado de Goiás têm quatro cidades em estado de alerta para a presença de criadouros. Segundo o portal TVCMN, "Goiás enfrenta a pior epidemia de dengue em 10 anos e Águas Lindas está com alta incidência". Além de Águas Lindas de Goiás, Goiânia, Aparecida de Goiânia e Luziânia são os municípios com maior incidência. De acordo com o NÚCLEO DE CONTROLE DE ENDEMIAS, DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E EMERGENTES, da Secretaria de Estado da Saúde do DF, há um caso de óbito em investigação oriundo daquele município goiano.

Hepatite

Em 2009, de acordo com matéria publicada no Correio Brasiliense, a cidade sofreu com a Hepatite A, que vitimou duas crianças e infectou quase dez, por isso, foi necessário um verdadeiro mutirão da cidade, para combater a bactéria.

Anúncios nos jornais

A prefeitura de Águas Lindas vive colocando anúncios nos principais jornais do DF à procura de médicos e apesar dos bons salários oferecidos não consegue sequer candidatos. Para a consultora política, Zenicéia de Assis. "já existe uma nuvem negra pública sob Águas Lindas: as notícias são amplamente divulgadas na imprensa. Assim, por melhor que seja o salário oferecido, aventurar-se a viver em um lugar com tantos problemas de segurança, afasta os profissionais da cidade. Águas Lindas precisa de vontade política para se reorganizar e voltar a crescer sem simplesmente sobreviver à sombra do Distrito Federa", avalia.

Para Carlos Henrique Araújo, A formação de m[édicos no Brasil se concentra nos grandes centros como São Paulo, Rio de janeiro, Brasília e Minas Gerais. "Faltam muitos profissionais de saúde em grande parte dos municípios pobres e do interior do País", afirma.

Violência

Três cidades goianas estão entre as dez mais violentas do País. Levantamento da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), do Ministério da Justiça, em todos os Estados brasileiros mostram Goiânia, Luziânia e Águas Lindas com indicadores negativos em vários tipos de crimes. No Mapa da Violência 2010 - Anatomia dos Homicídios no Brasil, realizado pelo Instituto Sangari, Águas Lindas de Goiás está na 10a. colocação no estado de Goiás,  em número de homicídios, de jovens 15 a 24 anos. Contudo, esse número sobe consideravelmente quando se trata de crianças e adolescente até os 14 anos. Nesse quesito, o município sobre-e para a triste colocação em número de homicídios

Cultura

Terra do saudoso mestre bonequeiro, Zezito, Águas Lindas de Goiás não possui cinema, teatro, nem qualquer atividade cultural ordenada. Com isso, cresce o número de prostituição infanto-juvenil, de tráfico de drogas e de casos de alcoolismo. Bares e prostíbulos prosperam a falta de uma ocupação leva os jovens a buscar caminhos e ocupações condenáveis

Há alguns anos, o bonequeiro Marco Augusto Resende, da Cia. Voar Teatro de Bonecos, começou a produzir a Festa Latino Americana de Bonequeiros, que trabalha a cultura popular nas escolas e culmina com um grande desfile com essas manifestações. A Festa tem sido uma das iniciativas isoladas na área de cultura na cidade.

Marco Augusto mora no Gama e resiste com o evento. " A festa foi idealizada por três mestres, Laís Aderne, Mestre Zezito e Mestre Ednaldo pessoas profundamente preocupadas e apaixonadas pela cidade. Eles me chamaram para ajudar na gestão e organização da festa. Mestre Zezito faleceu antes de ver a primeira edição da festa, A professora Laís Aderne nos deixou no ano seguinte e me incumbiu de ajudar o mestre Ednaldo e os herdeiros do Mestre Zezito a dar continuidade na festa. Este ano, vamos realizar a quarta edição do evento em dezembro para celebrar o verdadeiro natal Brasileiro, com presépios de folia de Reis, pastoril e reisado", explica.

Marco Augusto defende que a cidade é um pólo de artistas populares. "São pessoas que possuem trabalhos especiais, nas aéreas de circo, bonecos, música, artesanato. Eles produzem beleza e podem ajudar o município no desenvolvimento cultural, ambiental e do turismo, revelando a uma vocação local que é latente e os governantes não percebem", lamenta.

O bonequeiro explica que quando o evento é realizado a população participa ativamente. "A receptividade é muito boa. Ao chegar na festa, eles ficam surpresos em ver tanta graça e diversidade cultural. Os mais velhos relembram as festas e folguedos de sua terra natal e as crianças se encantam e descobrem que existe diversão de qualidade além da televisão", aponta.

Para o artista, "Águas Lindas é guardiã da Água que serve o DF. É  caminho para os principais pontos turísticos do estado de Goiás e possui uma grande quantidade de jovens que são ávidos por melhorar a qualidade de vida de suas famílias e podem aprender muito com os mestres da cultura popular. Acho que o Estado poderia desenvolver o programa de desenvolvimento cultural, ambiental e turístico para descobrir um novo caminho para um progresso sustentável e possível", finaliza.

História

O município de 278 quilômetros tem uma história recente. A região era conhecida como Parque da Barragem e foi desmembrada do município de Santo Antônio do Descoberto pela Lei Nº12797 de 27 de dezembro de 1995. Sua única razão de existência é Brasília. Começou a crescer às margens da BR-070 devido à exploração imobiliária. Os lotes eram baixo valor o que facilitava a aquisição por parte da população de baixa renda que morava no Distrito Federal. A cidade cresceu de uma forma desordenada. Desta forma, a população cresceu descontroladamente. Em 1996, foi realizada a primeira eleição. Fonte: Wikipédia

[Arquivo disponível]

Envie seu comentário

*Seu nome:
*E-mail (não será publicado):
Site (inclua o http://)
*Comentário:
*Preencha a resposta:
* campos obrigatórios. Os comentários
são mediados, portanto, aguarde
a liberação.

Comentários nesta matéria:

Seja o primeiro a comentar! Use o formulário ao lado e participe!

 

 

 


Você pode copiar e redistribuir o conteúdo da Revista Mais Capital desde que mantenha os créditos.
  EXPEDIENTE